Fazendo a Diferença

Os tempos mudaram, os desafios que surgem hoje são diferentes dos enfrentados até então. Pressão por resultados positivos, exigência crescente de alto padrão de qualidade em atendimento, produtos e serviços, agilidade nas tomadas de decisão, expectativa de vida útil das pessoas aumentando, mudanças nas leis de aposentadoria e principalmente a velocidade da obsolescência da tecnologia e do conhecimento em todas as áreas, são alguns dos desafios encontrados nos dias atuais, entre outros...

A maneira mais eficaz de preparar-se para essa nova realidade é administrar as características pessoais, reavaliar conceitos e conscientizar-se de suas necessidades, desenvolvendo virtudes e competências individuais para lidar com o todo...

A empresa que perceber e souber aproveitar-se destas circunstâncias, oferecendo aos seus colaboradores a oportunidade de auto-desenvolvimento, fará a grande diferença no mercado, assim como o profissional empenhado em desenvolver seu potencial pessoal, pois tecnologia e conhecimento estão à disposição de todos. O que realmente faz a diferença é a atitude das pessoas diante das diversas situações do dia-a-dia, a qualificação pessoal.

sábado, 17 de janeiro de 2015

Apoio científico para as posições da PNL

                       Muito interessante e esclarecedor o artigo escrito por Jonathan Altfeld, oferecendo ainda mais credibilidade a metodologia chamada Programação Neurolinguística, ou simplesmente PNL.

            Leia o artigo e descubra como e porque a PNL pode enriquecer sua vida.

Apoio científico para as posições da PNL
Escrito por:
Jonathan Altfeld

Publicado em:
ter, 06/01/2015

Tem havido uma onda de recentes estudos e publicações que apoiam diretamente a PNL, por acaso!

Desde os primeiros dias da PNL, na década de 1970, o seu desenvolvimento tem sido assombrado por falta de pesquisas adequadamente fundadas ou executadas.

Isso não é porque a PNL (como alguns acadêmicos têm sugerido) seja apenas uma pseudo-ciência.

É em parte porque a PNL nunca alegou ser uma ciência. Em condições ideais, o uso da PNL é uma metodologia ou um conjunto de habilidades que combina suposições, fatos, estilo artístico e a compreensão da experimentação. As suposições e os fatos vêm de vários campos. O estilo artístico vem de uma atração à elegância e um compromisso com a excelência. A compreensão da experimentação e da exploração vem da suposição de que a definição de insanidade é o ato de repetir diversas vezes uma atividade mal sucedida, na esperança de obter um resultado diferente.

Todos esses fatores guiaram uma multidão de Practitioners e Master Practitioners treinados pela PNL em todos os principais países do mundo, que com base em relatos, acreditam que a PNL os ajudou a se tornarem mais bem-sucedidos. As pessoas alcançaram grande sucesso usando a PNL em uma ampla variedade de campos – inicialmente apenas terapia, mas cada vez mais em coaching, negócios, vendas, política, ensino, marketing, medicina, direito e muitos mais.

Quase todo o financiamento científico é usado para subvencionar escritores. A maioria dos escritores subvencionados trabalha para universidades e centros de pesquisa em campos estabelecidos e tradicionais. A PNL não é um campo tradicional e academicamente estabelecido, pelo menos ainda não. A culpa disso pertence ao campo da PNL. Nós falhamos em torná-la mais tradicional, executando treinamentos nas empresas em vez de um forte lobby para ensiná-la nas escolas. O problema em ensiná-la nas escolas tem a ver com a classificação. A PNL é melhor ensinada como uma arte, com uma base parcial na ciência. As palestras são uma forma árida e inativa para aprender PNL – porém a PNL ainda é um esporte ativo de corpo inteiro que requer orientação e laços de feedback para ajudar a afinar o comportamento, a linguagem e o estilo.

Seria mais acurado dizer que os principais Practitioners de PNL aprenderam PNL de um modo muito parecido com alguém que aprende uma arte marcial – através da prática e do refinamento. Coitados dos Practitioners de PNL que foram ensinados pelo fornecimento de informações áridas. Você não pode se tornar bom em PNL por meio da transferência de informação. Você tem que envolver a memória muscular, e praticar, praticar, praticar, até encontrar flexibilidade e criatividade na atividade.

A maioria das subvenções científicas não são usadas para estudar uma arte. Mas... podemos descobrir maneiras de fazer isso melhor.

Tudo isso dito... embora a prova científica direta validando técnicas específicas de PNL não foi facilmente encontrada ou financiada, temos visto pesquisas nos últimos anos que agora apoiam diretamente muitos dos princípios centrais iniciais da PNL. Aqui temos apenas uma pequena amostra.

Espelhamento... funciona.

A PNL tem sugerido, por muitos anos, que espelhar o comportamento de outra pessoa causa espelhamento, e esse rapport pode ser reforçado espelhando a outra pessoa. Inicialmente as pessoas riam disso. No entanto, graças à descoberta científica dos neurônios espelho, nós agora temos uma base científica para a compreensão de como e porquê a maioria das pessoas se sente mais confortável ​​quando o espelhamento ocorre. O espelhamento cria uma sensação de reconhecimento e o reconhecimento aumenta o conforto na maioria das pessoas. Leia o seguinte artigo, publicado no livescience.com, (link is external)Neurônios Espelho nos permitem entender um ao outro (link is external)

De acordo com o artigo acima, "Acredita-se que o espelhamento seja a maneira pela qual o cérebro interpreta automaticamente as ações, as intenções e as emoções de outras pessoas. Neurônios espelho, as células do cérebro que ativamos quando realizamos uma determinada ação ou vemos alguém realizar essa mesma ação, foram, até recentemente, apenas uma teoria. Os cientistas sabiam que eles existiam no fundo de nossas mentes e eram responsáveis ​​por nos fazer sentir empatia com os outros, mas, até agora, não havia nenhuma prova concreta para ser apresentada."

Contar a você que o espelhamento funciona, e você se tornar excelente nisso, são duas coisas completamente diferentes. Você pode ler essa e outras fontes sobre o espelhamento, colocá-lo em prática e achar que está fazendo certo. Você também pode não saber que está fora da sua cadência, ou pode estar só espelhando acima do seu pescoço, ou espelhando de uma maneira e diferenciando em muitas outras. Em suma, você não sabe o que não está percebendo. Para fazer isso com elegância, você precisa de treinamento e honestos laços de feedback positivos de pessoas que passaram anos treinando a si mesmos para ver, ouvir e sentir mais daquilo que a maioria das pessoas aprenderam a ignorar. E depois você precisa de muita prática. 

Além disso, espelhar diretamente é agora bem conhecido em muitos círculos empresariais. E ridiculamente, o espelhamento direto agora é muitas vezes feito como diversão ou como motivo de brincadeira por aqueles que o conhecem. O que é muito mais elegante do que o espelhamento direto, e muito difícil de perceber – é o espelhamento cruzado ou equiparação cruzada. Esse é o próximo nível de excelência com a criação de rapport sem ser "percebido". E para conseguir ser bom nisso, você também precisa de treinamento, honestos laços de feedback positivo e muita prática.

Chamamos a sua atenção para uma nuance extraordinariamente importante: Nós não espelhamos apenas posturas ou expressões. Nós espelhamos ESTADOS EMOCIONAIS. O link do artigo a seguir do DNA Learning Center, afirma:

Condições da empatia: a sua dor é  a minha dor – se você jogar honestamente (link is external)

O ponto mais importante nesse artigo, na nossa perspectiva, é que os neurônios espelho não tratam apenas do espelhamento da postura e da fisiologia. Nós espelhamos ESTADOS. Isso tem enormes implicações na forma como nós ensinamos primeiro as pessoas a liderar via estado. A PNL tem uma pressuposição chamada "Você vai primeiro" e nunca é mais importante do que em relação a esse exemplo, aqui. Você precisa ser capaz de escolher um estado emocional, e começar a senti-lo de acordo com a sua vontade agora – e sentindo-o suficiente para irradiá-lo. Isso é FÁCIL, depois que você terminar de participar de um treinamento de PNL poderosamente eficaz e com duração suficiente. Nem difícil, nem desafiador, mas FÁCIL.

A ciência apoia a PNL para "agir como se" e para "você vai primeiro":

A PNL inclui uma outra pressuposição de que se você "agir como se" algo fosse verdadeiro, ele torna-se verdade. Nós usamos isso de várias maneiras, inclusive no controle de nossos estados emocionais. Se você colocar um sorriso em seu rosto, ele provoca uma mudança fisiológica que faz com que você se sinta mais feliz. Nós agora sabemos e temos a prova científica de que ele também provoca uma mudança neurológica – ele muda a mistura ativa de neurotransmissores flutuando em seu cérebro.

Dizendo o acima de uma maneira mais simples... o estado não apenas causa uma mudança na postura... a postura também provoca uma mudança no estado. Esses dois fatores estão ligados, em ambas direções. Estado gera fisiologia e fisiologia gera estado.

Amy Cuddy, da Harvard Business School, estudou e confirmou que "exibir atitudes não verbais de alto poder (em oposição as atitudes não verbais de baixo poder)  causariam mudanças neuroendócrinas e de comportamento, para homens e mulheres participantes".

Atitudes de poder: breves exibições não verbais afetam os níveis de neuroendócrinos e a tolerância ao risco

Nesse caso, acreditamos que a Harvard Business School está dando divulgação para algo que tem sido observado e ensinado pela PNL desde o final dos anos 70 e início dos 80. Apenas não fique ofuscado pelo foco limitado deles sobre as atitudes do poder. Veja aqui como aplicar o estudo MÍOPE acima, mais amplamente no mundo dos negócios:

• Se você passar 2-3 minutos adotando fisicamente uma postura mais conciliadora, você irá inevitavelmente encerrar as negociações mais rapidamente.

• Se você puser uma expressão curiosa no seu rosto e se inclinar para frente, você vai colorir QUALQUER ambiente ou pessoa que subitamente se tornará mais interessante para você.

• Se você fisicamente trocar uma postura agressiva por uma postura mais relaxada, você vai se tornar menos resistente ou agressivo, o que por sua vez irá colocar os outros mais à vontade.

• ...e assim por diante.

Lembre-se, estado gera fisiologia e fisiologia gera estado. E você tem a PNL para agradecer por isso, ainda que você possa agradecer à pesquisa de Amy Cuddy por nos ajudar a demonstrar que não estávamos falando apenas tolices. Estávamos observando e compartilhando padrões de comportamento que nós (como um campo) havíamos percebido – décadas atrás. 

Psychology Today publicou o que diríamos é uma nova versão da técnica da PNL "Dissociação Visual-cinestésica" de 1980, sem nenhuma citação da fonte. (Atualizado* em 09/01/2014, veja abaixo)

Guy Winch, Ph.D., é um psicólogo e autor de A roda do sucesso: acusando o caminho certo para obter resultados, melhorar os seus relacionamentos e aumentar a autoestima (em tradução livre). Nesse livro, há uma passagem que está publicada no site Psychology Today, intitulada "Um simples truque da mente que reduz a dor emocional: como reduzir a dor associada a experiências dolorosas. (link is external)"

Parece ser cada vez mais comum ler artigos de psicologia recomendando uma técnica ou uma abordagem que tem sido parte básica da PNL há décadas (depois do campo ter-se oposto ativamente contra a PNL como uma não-psicologia durante essas mesmas décadas).

Aqui está a nossa abordagem à técnica referida para redução da dor emocional. A PNL considera aspectos desse truque da mente para incluir um de vários elementos: (1) dissociação simples, vendo-se a si mesmo na imagem lidando com o gatilho emocional inicial, em vez de ver toda a experiência a partir dos nossos próprios olhos. Ou, (2) usando múltiplas perspectivas. Vendo um evento pelos nossos próprios olhos (primeira posição perceptiva), vendo um evento pelos olhos da outra pessoa (segunda posição perceptiva), ou ver o evento que envolve vários indivíduos da perspectiva de uma mosca na parede (terceira posição perceptiva).

Obrigado ao brilhante Eric Robbie por compartilhar isso comigo através do Facebook:

• A primeira menção publicada da técnica da Dissociação visual-cinestésica está nas páginas do livro "They Lived Happily Ever After" por Leslie Cameron-Bandler, publicado pela Meta Publicatons, Cupertino, Califórnia em julho de 1978. Perto do início dessa passagem, Cameron-Bandler dá crédito aos seus "colegas" – principalmente aos quais ela se referia: Richard Bandler, Judith DeLozier, David Gordon e John Grinder. Preste atenção especial nas páginas 118 e 119 onde há uma discussão detalhada da dissociação de dois lugares - ou "afastamento" - e depois da dissociação de três lugares, antes de começar a transcrição do tratamento de uma vítima de estupro.

ATUALIZAÇÃO em 09/01/2014: Um grupo de Practitioners e Trainers de PNL contatou Guy Winch, e, como resultado, ele acaba de publicar mais um artigo de follow-up no website da Psychology Today, reconhecendo uma técnica semelhante da PNL oriunda de décadas anteriores. E, no interesse de "condições iguais", por assim dizer, ele publicou uma série de técnicas apresentadas por colaboradores da PNL. O artigo pode ser encontrado aqui: Especialistas da PNL falam abertamente (link is external). Muito gentil da sua parte, Dr. Winch!

Não culpe o mundo tradicional da Psicologia e dos negócios pelo que podemos descrever como miopia.

Eles não podem ajudá-lo. Eles estão entrincheirados. Eles têm uma maneira de fazer as coisas. Eles estabeleceram minuciosos canais de informação e conhecimento, e a PNL voou acima desses canais, ampliando e explorando em sua própria maneira menos tradicional. No entanto, agora existem milhões de estudantes e entusiastas da PNL mundo afora ainda aprendendo-a (nem todos estão aprendendo bem, é claro, o que não ajuda o caso).

Se alguém quiser prosseguir os "negócios como de costume..." se não estiver disposto a olhar além das regras estabelecidas do seu campo para descobrir os progressos já realizados em outros lugares... então essa é uma prerrogativa dele. Miopia metafórica é uma "condição" lamentável e desnecessária... e é facilmente tratada com um pouco de abertura de espírito e um sentido de exploração.

Se você estiver no campo dos negócios e estiver considerando, de alguma forma, aprender ou usar a PNL

Decida sobre os seus resultados desejados, entreviste alguns consultores ou trainers, se aventure em um programa piloto ou se inscreva para seminários de curta duração com vários trainers. A única maneira de descobrir por si mesmo, é descobrir por si mesmo.

Se o motivo da sua hesitação era porque ainda não existe uma grande quantidade de estudos científicos para confiar, espero que esse blog tenha lhe fornecido uma perspectiva nova e mais capacitada sobre o campo da PNL. Existem estudos científicos que são relevantes, valiosos e de apoio: muitas vezes, eles são simplesmente distorcidos e mal interpretados, por causa de quem pagou pelos estudos e o porquê.

Nós não reivindicamos que a PNL seja uma ciência. Nós reivindicamos prosseguir a arte de reproduzir realização e excelência, de forma acelerada.

Gostaria de ajudar? Existe uma nova iniciativa em que vale a pena se investir: "O projeto de pesquisa e reconhecimento da PNL (link is external)." Visite o site. Steve Andreas também participa desse projeto através do seu blog (link is external).

O artigo "Scientific Support for Aspects of NLP (link is external)" encontra-se no site www.altfeld.com (link is external)

Categoria: Artigos sobre Técnicas de PNL e Aplicações

http://golfinho.com.br/artigo/apoio-cientifico-para-as-posicoes-da-pnl.htm