Fazendo a Diferença

Os tempos mudaram, os desafios que surgem hoje são diferentes dos enfrentados até então. Pressão por resultados positivos, exigência crescente de alto padrão de qualidade em atendimento, produtos e serviços, agilidade nas tomadas de decisão, expectativa de vida útil das pessoas aumentando, mudanças nas leis de aposentadoria e principalmente a velocidade da obsolescência da tecnologia e do conhecimento em todas as áreas, são alguns dos desafios encontrados nos dias atuais, entre outros...

A maneira mais eficaz de preparar-se para essa nova realidade é administrar as características pessoais, reavaliar conceitos e conscientizar-se de suas necessidades, desenvolvendo virtudes e competências individuais para lidar com o todo...

A empresa que perceber e souber aproveitar-se destas circunstâncias, oferecendo aos seus colaboradores a oportunidade de auto-desenvolvimento, fará a grande diferença no mercado, assim como o profissional empenhado em desenvolver seu potencial pessoal, pois tecnologia e conhecimento estão à disposição de todos. O que realmente faz a diferença é a atitude das pessoas diante das diversas situações do dia-a-dia, a qualificação pessoal.

terça-feira, 20 de julho de 2010

Ansiedade no Trabalho

Entrevista, como "Convidado Especial" à revista eletrônica da Valia, fundo de pensão (previdência complementar) da Vale.

Ansiedade no trabalho

Saiba como administrar o problema e utilizá-lo a favor do desempenho profissional.

A ansiedade é um sentimento de apreensão desagradável que precede momentos de perigo real ou imaginário. Ela pode aparecer em qualquer momento da vida, seja no convívio familiar, em um encontro com amigos e, principalmente, no ambiente profissional. Em excesso, esse sentimento pode trazer malefícios - como estresse - e até atrapalhar a capacidade intelectual e produtiva do indivíduo. A consultora profissional independente, Ana Beatriz Medeiros Brito, de escritório próprio, analisa como a ansiedade interfere no trabalho e dá dicas para controlar as reações ocasionadas por ela no dia a dia.

Que fatores podem contribuir para despertar a ansiedade no ambiente de trabalho e como profissionais ansiosos se comportam?

Alguns fatores comuns no âmbito profissional, como a cobrança por produtividade, o excesso de tarefas no trabalho, a falta de autoconfiança, de autoestima, de qualificação e reciclagem profissional são exemplos que podem impulsionar o surgimento da ansiedade.

Em geral, as pessoas ansiosas mostram-se tensas e apreensivas, especialmente diante dos superiores. Com baixa autoestima, elas deixam de fazer certas coisas porque se julgam incapazes de realizá-las. Sentem-se facilmente feridas diante de críticas e desaprovações e evitam atividades sociais ou profissionais aonde o contato com outras pessoas seja intenso, mesmo que venham a ter prejuízos com isso. Pessoas ansiosas também exageram nas dificuldades e nos perigos envolvidos em atividades comuns que estejam fora de sua rotina.

Quais são as consequências para o profissional que sofre desse “problema”?

As consequências não se limitam apenas ao sofrimento subjetivo e ao comprometimento do desempenho profissional do indivíduo. A ansiedade no ambiente de trabalho, quando em excesso, pode trazer prejuízos à saúde, ocasionando problemas como disfunções gastrointestinais, Lesão por Esforço Repetitivo (LER), dores de cabeça, lapsos de memória, depressão e uso abusivo de medicamentos controlados. A ansiedade pode estar associada também aos pequenos erros na execução das tarefas.

É verdade que, se bem administrada, a ansiedade pode contribuir para aumentar a qualidade do trabalho e a velocidade da realização de tarefas? Por quê?

Sim, se o indivíduo souber aproveitar a principal função da ansiedade como uma reação natural e necessária para a autopreservação. Ou seja, como um estado de alerta que prepara o organismo para tomar as medidas necessárias para impedir a concretização dos possíveis prejuízos advindos de uma situação de mudança, ou pelo menos para diminuir suas consequências.

Todas as pessoas passam momentos em que se sentem um pouco ansiosas e a verdade é que essa ansiedade as ajuda a enfrentar os desafios. Isso porque ela cria um estado de alerta para responder rapidamente às novas situações.

O que o profissional deve fazer para controlar a ansiedade? Que estratégias podem ser utilizadas?

As reações de ansiedade normais não precisam ser tratadas por serem naturais e autolimitadas. Os estados de ansiedade anormais requerem tratamento específico, em alguns casos, psicoterapia e uso de medicamentos.

Aos profissionais ansiosos, em primeiro lugar, sugiro enfrentar a ansiedade dentro de si mesmo através do autoconhecimento para descobrir o que está causando esse desconforto. Depois devem tomar a decisão de mudar a situação atual, através da prática de ações preventivas coerentes com sua causa, como investir no progresso de sua formação, na reciclagem profissional, maior dedicação ao serviço. Além disso, a comunicação interpessoal, dinâmicas de grupo, treinamentos motivacionais, esportes, ioga, meditação, coaching e/ou terapia também podem minimizar os efeitos negativos da ansiedade.

https://www.valia.com.br/ (Fique por Dentro).

2 comentários:

Lex disse...

Acho q esse artigo tem tudo a ver com o problema que estou passando agora... De alguma forma irá muito me ajudar. Obrigado!

Clara Neves disse...

Então, esse artigo, me deu a resposta que eu estava presisando para resolver meu problema. Tudo que eu faço era pra ontem. Não descanso depois do almoço, porque acho que estou deixando de fazer o que estou querendo fazer. Vou pensar nisso! Obrigada!